ENTREVISTA COM NEHEMIAS MARIEN: O PASTOR QUE ACEITA O ESPIRITISMO

NEHEMIAS MARIEN: O PASTOR QUE ACEITA O ESPIRITISMO

Entrevista realizada por Fátima Farias.

Fátima: Pastor, qual é a sua Igreja e onde fica?

Nehemias: Minha igreja é uma betel, vamos dizer, uma palavra hebraica, todo lugar, onde o ser humano está presente em Deus, o eterno, na imensurável transcendência. Eu tenho até constrangimento de dizer em que igreja, porque minha igreja é você, estarmos, juntos, a eclesia no pensamento de Jesus, lá na Cesaréia, quando pela primeira vez disse: “Eu vou edificar a Igreja”. É isso aí, é a vida, é o trabalho, é a família, caminhada. Quando as pessoas estão juntas, mesmo que não pensem da mesma maneira é uma igreja, é uma comunidade holística. Agora, sou de formação Calvinista, sou pastor presbiteriano, lá em Cobacabana, já há 43 anos, sem sair da igreja. Meus pais eram missionários lá em Mato Grosso, onde eu nasci, morei na Inglaterra, um período na França e estou no Rio de Janeiro há 26 anos, pastoriando a Igreja Presbiteriana Bethesda.

Fátima: É verdade que o senhor acredita em Reencarnação?

Nehemias: Olha só, muito grato pela pergunta. Até o ano de 546, no Concílio de Calcedônia, o Espiritismo fazia parte dos canônes da Igreja. Depois, por discussões mais administrativas e menos teológicas, foi banido do canône oficial e hoje a doutrina espírita, para a maioria dos pressupostos evangélicos, porque assim, numa confusão chamar de evangélicos só os crentes entre aspas, né? Evangélico é quem anuncia a Boa Nova. Então, eu sou professor de Teologia Bíblica e de Ciências Bíblicas. É meu livro de cabeceira. No estudo da Bíblia, as evidências da Rreencarnação são assim incontestáveis, e eu acho que o Espiritismo é a mais caudalosa vertente do Cristianismo, pelas idéias. Você encontra, tanto no Antigo como no Novo Testamento, evidências claras da Reencarnação, isto é, do prosseguir da vida. Tanto Pedro, o pressuposto grande apóstolo Pedro, fala na sua segunda encíclica, no final da Bíblia, fala sobre a existência do espírito após a morte e nesta evolução do ser humano. E também São Judas, o apóstolo de Cristo, na sua epístola final, também fala sobre o mesmo tema. Então, sou uma pessoa estudiosa, aberta. Eu não tenho muros de espécie alguma. Eu tenho uma visão holística e aprendo muito com meus amados irmãos espíritas. Eu tenho um livro “Transcendência e Espiritualidade”, onde abordo mais diretamente o assunto. Estou crescendo assim, nesta área e num certo diálogo. Tem algumas coisas que eu não entendo, pelos meus limites bíblicos e culturais, como também não entendo o próprio Cristo. Como vou compreender plenamente Allan Kardec?

Fátima: O senhor já manifestou este ponto de vista reencarnacionista na sua igreja?

Nehemias: Ah, sim, sim. A minha comunidade é uma igreja grande. Somos cerca de 350 congregados, tem cinco pastores, é um colegiado pastoral, além do livro. O livro é público, editado aí. Eu tenho participado de revistas. Por exemplo, no começo do ano a Revista Espírita Allan Kardec publicou uma síntese do pensamento meu, a respeito. A igreja ouve-me, aceita. Eu sou o pastor titular. Somos cinco pastores, mas estou ali, orientando a igreja, neste sentido. Eu não tenho nada de secreto na minha vida pastoral.

Fátima: Qual a receptividade do público de sua igreja, em relação ao seu conceito reencarnacionista?

Nehemias: Bem, a igreja, ela me aceita plenamente, mas eu tenho a impressão de que não só sobre o meu aspecto filosófico, teológico, doutrinário sobre o Espiritismo, mas em outros também. Porque eu, pessoalmente, Nehemias Marien, sou uma espécie de espinho de peixe na garganta da minha própria igreja, mas aceitam e vão atrás. Como diz o Mestre: “O pastor vai à frente do rebanho e o rebanho o segue, porque conhece a voz do seu pastor”. Não segue em frente, mas segue a mim, mesml que me engulam, vamos dizer assim goela abaixo, por não entenderem bem minhas nuances teológicas e espirituais, eles me aceitam. A gente vive num amor perfeito. Lá na minha igreja, pregou Libórni Siqueira, que é desembargador, um grande espírita. O Gérson Azevedo, que é ex-presidente da Federação Espírita do Rio de Janeiro. Vários espíritas pregando na Igreja. Não vão lá visitar, não. É subindo ao púlpito. É um púlpito bonito, mais alto. Usam até toga e se não quiser fardamento, ficam como estão, elegantemente vestidos e pregam lá. Então é uma igreja aberta.

Fátima: Já que o senhor acredita na Reencarnação, o que o faz continuar professando a teoria presbiteriana?

Nehemias: Olha, eu estou presbiteriano. Eu até não gosto muito desta palavra “presbiteriano”, porque Calvino, João Calvino, que é o estruturador do pensamento teológico protestante, ele bebia muito lá na Idade Média. Mandou crucificar na maneira de falar, mandou queimar vivo Serventus, um médico, porque discordava dele. Criou uma doutrina chamada “Doutrina da Predestinação”. Eu bato de frente contra isso. Agora eu estou lá, porque acho que estamos num “pool” de idéias e a minha cabeça é holística. Assim, vamos dizer, Nehemias Marien, teológica e pastoralmente, é um caleidoscópio. A beleza do caleidoscópio é exatamente ter vidros quebradinhos, bonitos e funcionais, com figuras geométricas de grande dimensão espiritual.

Fátima: O senhor já estudou a Doutrina Espírita?

Nehemias: Eu tenho o livro O Evangelho Segundo o Espiritismo e vários livros de Allan Kardec.

Fátima: E qual a sua opinião sobre a Doutrina Espírita?

Nehemias: Eu acho que o Espiritismo é o mais caudaloso afluente do Cristianismo. Considero a Bíblia como o mais antigo livro de psicografia e mediunidade. Eu acho que Jesus era o médium perfeito, e que a mentalidade kardecista todos nós a temos.

Fátima: Sobre a mediunidade, pastor, o que o senhor diz?

Nehemias: Olha, nós todos somos médiuns. Queiramos ou não. É uma questão de reconhecer, constatar e disciplinadamente desenvolver. Agora, há muitos preconceitos. Nossa cabeça é assim muito cheia de preconceitos, conceitos não, mas preconceitos temos demais. Então, eu acho o seguinte: eu, a respeito da mediunidade, até agora, estou sentindo… (emociona-se e chora). Eu acho que o verdadeiro servo de Deus é um médium. Ele não fala de si. Vamos dizer, entre aspas, traduzindo sentimentos, é uma incorporação espiritual. Ele não é dono dele, é um veículo, um canal. O importante é a mensagem que transmite.

Fátima: E quanto à comunicabilidade com os Espíritos, o que o senhor diz?

Nehemias: É isso que eu estava tentando passar. Eu tenho, até não entendo bem este espírito meu, mas eu tenho a impressão de que é uma índia, minha Biquara, mãe de minha mãe, minha avó Joana. Eu sinto assim, uma certa colocação, uma certa energia dela para mim. Todas as vezes em que eu abro o texto sagrado, para as homílias, as pregações, os sermões, sinto que estou fora de mim. Eu admito esta transcendência da Espiritualidade, esta invasão do Céu no coração humano, através da mediunidade.

Fátima: Como o senhor encara os sucessivos ataques de pastores ao Espiritismo?

Nehemias: Bom, como eu diria, nossos amados irmãos são aliados. Estamos todos no mesmo barco, mas eles fazem parte da artilharia. O artilheiro é o soldado, que vem lá atrás. A infantaria somos nós, a Doutrina Espirita, aqueles que vão lá para frente. A artilharia, ao abrir espaço à frente, solta as bombas, mas são muito ruins de cálculos matemáticos, erram os cálculos e acabam dizimando os próprios aliados. É o que acontece, criticando o Espiritismo, que está na mesma dimensão espiritual. Eu os chamo, vamos dizer assim, de bonsais espirituais, aquela plantinha que não cresce. Lá em Tóquio vi todo um horto só de bonsai, bonitos, mas não se desenvolveram espiritualmente. Estes que atacam nossos irmãos espiritas e outras tradições, com as quais não concordam, é uma espécie de pitimbus. Eu acho que os ventos contrários firmam raízes de árvore e o avião sobe mais alto. Acho que é como burilando um diamante, que vira brilhante.

Fátima: Na sua opinião, qual seria o caminho mais eficiente para a Humanidade seguir em direção ao Ecumenismo?

Nehemias: Eu penso Mimo Melânquico, o grande reformador do século XVI. Ele tem uma fórmula e diz assim: “Unidade absoluta, naquilo que é essencial, o amor, por exemplo. Liberdade absoluta em tudo que é duvidoso e caridade em todas as coisas”. Acho que este é o caminho do Ecumenismo.

Fátima: O que o senhor acha de Chico Xavier?

Nehemias: Chico Xavier é um nome-legenda da espiritualidade, nacional e mundial. Eu tive o privilégio de estar com ele duas vezes. Fui fazer uma série de conferências do Rio à Brasilia. Viajei de carro e propus ao meu amigo levar-me em Uberaba. Oramos juntos. Olha, Chico Xavier e Dom Hélder Câmara são pessoas que me fizeram muito bem pela prece a meu favor. Rogo a Deus que este ícone da Espiritualidade, que o Mundo todo respeita, tenha assim muitos, muitos e muitos privilégios desta bênção inaudita de transbordar a Espiritualidade como ela vem fazendo pelo santo Chico Xavier.

Fátima: Espaço aberto para sua mensagem final.

Nehemias: Rogo a Deus que haja uma nova consciência no ser humano, e que é difícil abrir ao espírito. Ele, como vento, sopra onde quer, já que aqui a vida é grande Pentecostes. Que Deus abençoe os irmãos e irmãs, grandes e pequenos, que participam desta festa eucarística do Programa Nova Consciência.

[CONSCIÊNCIA ESPÍRITA – CONSCIESP 2002 – João Pessoa, PB]


Carlos Antônio Fragoso Guimarães

Não posso deixar de compartilhar com os amigos da Liga de Historiadores Espíritas uma ocorrência que me emocionou muito nos últimos dias….

Aqui na Paraíba, todos os anos, na cidade de Campina Grande, ocorre um evento durante o Carnaval chamado Encontro para a Nova Consciência (http://www.novaconsciencia.com.br), que este ano já está na sua 12AA edição. Este evento visa unir pessoas das mais diversas vertentes, tanto religiosas quanto filosóficas, além de científicas, para um encontro vivencial de diferentes pontos de vista sobre o que chamamos espiritualidade. Dentre os espíritas que já participaram do evento, podemos citar Augusto César Vanucci, Henrique Rodrigues, Divaldo P. Franco, Luis Cládio Costa, entre outros, e dentre outros participantes, Leonardo Boff, Rose Marie Muraro, Paulo Coelho, etc. Na parte científica, Patrick Drouot, Pierre Weil e outros. De outras tradições religiosas, este ano tivemos dois Sheikes islâmicos, um budista tibetano, um budista japonês e um chinês, alguns hinduistas e outros.

Pois bem, ao ser chamado para abrir o evento, depois de ter falado o representante da Igreja Católica, o Pastor Presbiteriano Nehemias Marihen falou isto, logo de início, e que transcrevo aqui:

” ‘Nascer, morrer, renascer e evoluir sempre, tal é a Lei’ . Li estas frases em Paris, no cemitério Père Lachaise no túmulo de, talvez, um dos maiore gênios da humanidade: Allan Kardec” (Aplausos enfáticos da platéia)

“Considero a doutrina espírita a mais caudalosa vertente do Cristianismo nos nossos dias e muito temos nós, de outras vertentes do Cristianismo, a aprender com ele” (APLAUSOS)

“Kardec demonstrou que aquilo que acreditamos pode ser comprovado através de fatos, sedimentando nossa fé e transpondo as diferenças, destacar aquilo que temos em comum” (Quase que o teatro veio abaixo com tantos aplausos)….

Ao ser perguntado, depois, como se dá que um pastor protestante aceita o trabalho de Kardec e a relação dos evangélicos com o Espiritismo, respondeu o pastor Nehemias:

“Assim como Cristo é muito maior que as diversas Igrejas que se construiram ao longo dos séculos em seu nome, assim como o Buda e Krishna também são muito maiores que as diferentes tradições que se fizeram após eles, acho que Kardec também é um patrimônio de toda a humanidade, e não só dos espíritas. É apenas uma questão de tempo para que a percepção de seu trabalho seja melhor reconhecida e mesmo integrada a diferentes aspectos das religiões, para além dos dogmas”.

Um outro palestrante que já há anos igualmente participa deste evento é o Psicólogo francês, radicado no Brasil, Pierre Weil, escritor bastante conhecido e professor de Psicologia, é o reitor da Universidade Holística Internacional, UNIPAZ,(http://www.unipaz.com.br), com sede em Brasília. Foi um dos co-fundadores da Associação Internacional de Psicologia Transpessoal e consultor da ONU para assuntos sobre a Paz, tendo, por este trabalho, seu nome indicado para o Prêmio Nobel da Paz este ano. Pois bem, este psicólogo, autor de livros como “O Corpo Fala”, “A Consciência Cósmica” e “A Morte da Morte”, ainda desconhecido em grande parte do meio espírita, na UNIPAZ vem fazendo alguns trabalhos em Transcomunicação Instrumental e, ultimamente, alguns sobre materialização. Ele levou algumas amostras sobre tais estudos para o evento, e disse:

“Há alguns anos, eu, bom behaviorista e psicanalista que era, desprezaria tais fenômenos. Mas agora, exatamente como psicólogo, não tenho mais como negar a realidade dos fenômenos da Reencarnação e as que indicam claramente a existência de seres ou entidades invisíveis que, em uma outra dimensão, tentam e conseguem se comunicar conosco, de várias formas. A sincronicidade, termo criado por Jung, é parte desta outra realidade quadridimensional que nos cerca e onde parece viverem estes seres, que um dia seremos nós mesmos. Vejo, apesar do ambiente escuro de nossos dias, que a grande multidão de mutantes da consciência, que aos milhões vão as ruas e pedem Paz dando as mãos a outras pessoas de diferentes tradições, e estas descobertas pelo estudo dos fenômenos psíquicos, são sincronicidades e setas para uma mudança da mentalidade que, partindo desta minoria, como as pessoas aqui presentes, haverá de pressionar para uma mudança de paradigma e de nossa forma de ver o mundo e os homens.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: